Início Sem Categoria MODELO DE GRAVATA PARA FESTA JUNINA

MODELO DE GRAVATA PARA FESTA JUNINA

21
0
COMPARTILHAR

MODELO DE GRAVATINHA PARA FESTA JUNINA PARA IMPRIMIR



MODELO DE GRAVATA PARA FESTA JUNINA PARA IMPRIMIR E COLORIR
Gravatas para Festa Junina

Moldes, Atividades para Imprimir, Desenhos para Imprimir, Desenhos para Colorir, Atividades para Professores, Datas Comemorativas, Festa Junina

Não deixe de conferir também Lista de Atividades sobre Festa Junina


  • 1. Atividade com Música sobre Festa Junina
  • 2. Poema sobre Festa Junina
  • 3. Modelo de fantoche articulado para Festa Junina
  • 4. Sugestão para Festa Junina – Musicas para Quadrilha
  • 5. ATIVIDADES ESCOLARES FESTA JUNINA
  • 6. Lista de Atividades sobre Festa Junina
  • 7. Atividade de Desenhar sobre Festa Junina
  • 8. ATIVIDADE DE COLORIR SOBRE ZONA RURAL E ZONA URBANA
  • 9. Atividade de ligar tamanhos iguais sobre Festa Junina – para imprimir
  • 10. DESENHOS DE FESTA JUNINA DA TURMA DA MÔNICA
  • 11. FESTA JUNINA COM A TURMA DA MÔNICA
  • 12. ATIVIDADES JUNINAS TURMA DA MÔNICA
  • 13. POESIAS DE FESTA JUNINA
  • 14. FESTA JUNINA COM A GALINHA PINTADINHA

  • As festas juninas têm em suas raízes a mistura de elementos das tradições pagãs romano-germânicas e cristãs.

    No Brasil, desde pelo
    menos o século XVII, no mês de junho, comemoram-se as chamadas “Festas Juninas”, que possuem esse
    nome por estarem associadas ao referido mês. Sabemos que, além daquilo que
    tipifica tais festas, como trajes específicos, comidas e bebidas, fogueiras,
    fogos de artifício e outros artefatos feitos com pólvora (como bombinhas), há
    também a associação com santos católicos, notadamente: São João, Santo Antônio e São Pedro.
    Mas quais são as raízes
    das festas juninas
    ?
    Os pesquisadores especializados
    em festividades e rituais costumam apontar as origens das festas juninas nos
    rituais dos antigos povos germânicos e romanos. Os povos que habitavam as
    regiões campestres, na antiguidade ocidental, prestavam homenagens a diversos
    deuses aos quais eram atribuídas as funções de garantir boas plantações, boas
    colheitas, fertilidade etc. Geralmente, tais ritos (que possuíam caráter de
    festividade) eram executados durante a passagem do inverno para o verão, que,
    no centro-sul da Europa, acontece no mês de junho.
    Esses rituais implicavam o
    acendimento de fogueiras e de balões (semelhantes aos que hoje são feitos com
    papel de seda), entre outros modos de comemorações, como danças e cânticos. Na
    transição da Idade Antiga para a Idade Média, com a cristianização dos romanos
    e dos povos bárbaros, essas festividades passaram a ser assimiladas pela Igreja
    Católica, que, como principal instituição do período medieval, soube também
    diluir o culto aos deuses pagãos do período junino e substituí-los pelos
    santos.
    A religiosidade popular absorveu
    de forma muito profunda essa mistura das festividades pagãs com a doutrina
    cristã. Nas regiões do Sul da Europa, sobretudo na Península Ibérica, onde o
    catolicismo desenvolveu-se com muita força no fim da Idade Média, essas
    tradições tornaram-se plenamente arraigadas. Com a colonização do Brasil pelos
    portugueses a partir do século XVI, as festividades juninas aqui foram se
    estabelecendo, sem maiores dificuldades, e ganhando um feitio próprio.
    As comemorações das festas juninas no Brasil,
    além de manterem as características herdadas da Europa, como a celebração dos
    dias dos santos, também mesclaram elementos típicos do interior do país e de
    tradições sertanejas, forjadas pela mescla das culturas africana, indígena e
    europeia. Sendo assim, as comidas típicas (como a pamonha), as danças, o uso de
    instrumentos musicais (como a viola caipira) nas festas, etc., tudo isso
    reflete milênios de tradições diversas que se imbricaram.


    Por Me. Cláudio Fernandes

    image_pdfimage_print